teste

Graduações
a Distância
Informática
na Educação
Cursos
a Distância
Capítulos e
livros publicados
Artigos
Publicados
Legislação
em EAD
Referenciais de
Qualidade em EAD
Currículo
Lattes

24 de março de 2017

Permanência na Educação Superior a distância

Pricila Kohls dos Santos, Lucia Maria Martins Giraffa


Resumen


A temática da permanência estudantil na Educação Superior configura-se, ainda, como temática desafiadora, tanto na modalidade presencial como a distância. Este artigo apresenta os resultados de uma investigação sistematizados como sugestões de estratégias e ações para auxiliar a promoção da permanência. Usamos como referencial teórico o trabalho de Spady (1971), Pascarella (1985), Ethington (1990), Tinto (1997);, García Aretio (2002), Tinto & Pusser (2006) e Cabrera et al (2006). A metodologia utilizada foi de caráter quali-quantitativo, tendo como objetivo verificar as variáveis de maior relevância para a permanência na Educação a Distância (EaD) às variáveis de maior relevância para a permanência na Educação a Distância (EaD) levando em consideração dois fatores: Dedicação do Estudante e Qualidade do Curso. Em geral, estudos encontrados na literatura enfocam a opinião de docentes e gestores em relação à evasão dos estudantes. Como diferencial esta investigação teve por objetivo dar voz ao discente e compreender o que faz ele/ela permanecer nos estudos. Os resultados da análise apontam que os indicadores considerados pelos estudantes, como mais relevantes para sua permanência são: cumprimento do programa acadêmico; técnicas e hábitos de estudo; atividades nas disciplinas e; promoção de discussões em fóruns e demais espaços de comunicação. 

Palabras clave


educação a distância; educação superior; evasão; permanência.

Referencias


Almazán, O. M. (2015). Evaluación de la modalidad de interacción de la tutoría y los efectos en logro académico en entornos en línea. RIED. Revista Iberoamericana de Educación a Distancia, 18(1), 231.
Aretio, G. L. (2002). La educación a distancia: de la teoría a la práctica. Barcelona: Ariel.
Aretio, G. (2014). Bases, mediaciones y futuro de la educación a distancia en la sociedad digital. Editorial Síntesis.
Bardin, L. (2012). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.
Cabrera, A. F., Nora, A., Castañeda, M. B. (1992). The role of finances in the persistence process: A structural model. Research in Higher Education, 33(5), 571-593.
Cabrera, L., Bethencourt, J. T., Pérez, P. A., & Afonso, M. G. (2006). El problema del abandono de los estudios universitarios. Relieve, 12(2), 171-203.
Ethington, C. A. (1990). A psychological model of student persistence. Research in Higher Education, 31(3), 279-293.
Flick, U. (2013). Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.
Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E. & Tatham, R. L. (2013). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman Editora.
Himmel, E. (2002). Modelos de análisis de la deserción estudiantil en la educación superior. Revista calidad de la educación, 17, 91-108.
Lakatos, E. M., Marconi, M. A. (2014). Metodologia do Trabalho Científico: Procedimentos Básicos, Pesquisa Bibliográfica, Projeto e Relatório, Publicações e Trabalhos Científicos. São Paulo: Atlas.
Litto, F. M., FORMIGA, M. (2012). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson.
Malhotra, N. K. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman Editora.
Martinez, M. (2003). High attrition rates in e-learning: challenges, predictors, and solutions. The Elearning Developers’ Journal, 14. Recuperado de: http://www.elearningguild.com/pdf/2/071403MGT-L.pdf
Moncada Mora, L. F. (2014). La integración académica de los estudiantes universitarios como factor determinante del abandono de corto plazo. Un análisis en el Sistema de Educación Superior a Distancia del Ecuador. RIED. Revista Iberoamericana de Educación a Distancia, 17(2), 173-196.
Moore, M., Kearsley, G. (2012). Educação a Distância: Uma visa integrada. São Paulo: Cengage Learning.
Palloff, R. M., Pratt, K. (2004). O aluno virtual. Porto Alegre: Artmed.
Pascarella, E. T. (1985). Students' affective development within the college environment. The Journal of Higher Education, 56(6), 640-663.
Ristoff, D. (1999). Universidade em foco: reflexões sobre a educação superior. Florianópolis: Insular.
Ristoff, D. (2012). A trajetória dos cursos de graduação a distância. Associação Brasileira de Educação a Distância – ABED. Recuperado de: http://www.abed.org.br/congresso2012/programa.asp.
Spady, W. G. (1971). Dropouts from higher education: Toward an empirical model. Interchange, 2(3), 38-62.
Tinto, V. (1997). Classrooms as communities: Exploring the educational character of student persistence. Journal of higher education, 68(6), 599-623.
Tinto, V. (2012). Completing College: rethinking institutional action. London: Chicago Press.
Tinto, V., Pusser, B. (2006). Moving from theory to action: Building a model of institutional action for student success. National Postsecondary Education Cooperative, 1-51. Recuperado de: http://web.ewu.edu/groups/academicaffairs/IR/NPEC_5_Tinto_Pusser_Report.pdf


DOI: http://dx.doi.org/10.5944/ried.20.1.16808