teste

Graduações
a Distância
Informática
na Educação
Cursos
a Distância
Capítulos e
livros publicados
Artigos
Publicados
Legislação
em EAD
Referenciais de
Qualidade em EAD
Currículo
Lattes

24 de março de 2017

Permanência na Educação Superior a distância

Pricila Kohls dos Santos, Lucia Maria Martins Giraffa


Resumen


A temática da permanência estudantil na Educação Superior configura-se, ainda, como temática desafiadora, tanto na modalidade presencial como a distância. Este artigo apresenta os resultados de uma investigação sistematizados como sugestões de estratégias e ações para auxiliar a promoção da permanência. Usamos como referencial teórico o trabalho de Spady (1971), Pascarella (1985), Ethington (1990), Tinto (1997);, García Aretio (2002), Tinto & Pusser (2006) e Cabrera et al (2006). A metodologia utilizada foi de caráter quali-quantitativo, tendo como objetivo verificar as variáveis de maior relevância para a permanência na Educação a Distância (EaD) às variáveis de maior relevância para a permanência na Educação a Distância (EaD) levando em consideração dois fatores: Dedicação do Estudante e Qualidade do Curso. Em geral, estudos encontrados na literatura enfocam a opinião de docentes e gestores em relação à evasão dos estudantes. Como diferencial esta investigação teve por objetivo dar voz ao discente e compreender o que faz ele/ela permanecer nos estudos. Os resultados da análise apontam que os indicadores considerados pelos estudantes, como mais relevantes para sua permanência são: cumprimento do programa acadêmico; técnicas e hábitos de estudo; atividades nas disciplinas e; promoção de discussões em fóruns e demais espaços de comunicação. 

Palabras clave


educação a distância; educação superior; evasão; permanência.

Referencias


Almazán, O. M. (2015). Evaluación de la modalidad de interacción de la tutoría y los efectos en logro académico en entornos en línea. RIED. Revista Iberoamericana de Educación a Distancia, 18(1), 231.
Aretio, G. L. (2002). La educación a distancia: de la teoría a la práctica. Barcelona: Ariel.
Aretio, G. (2014). Bases, mediaciones y futuro de la educación a distancia en la sociedad digital. Editorial Síntesis.
Bardin, L. (2012). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.
Cabrera, A. F., Nora, A., Castañeda, M. B. (1992). The role of finances in the persistence process: A structural model. Research in Higher Education, 33(5), 571-593.
Cabrera, L., Bethencourt, J. T., Pérez, P. A., & Afonso, M. G. (2006). El problema del abandono de los estudios universitarios. Relieve, 12(2), 171-203.
Ethington, C. A. (1990). A psychological model of student persistence. Research in Higher Education, 31(3), 279-293.
Flick, U. (2013). Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.
Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E. & Tatham, R. L. (2013). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman Editora.
Himmel, E. (2002). Modelos de análisis de la deserción estudiantil en la educación superior. Revista calidad de la educación, 17, 91-108.
Lakatos, E. M., Marconi, M. A. (2014). Metodologia do Trabalho Científico: Procedimentos Básicos, Pesquisa Bibliográfica, Projeto e Relatório, Publicações e Trabalhos Científicos. São Paulo: Atlas.
Litto, F. M., FORMIGA, M. (2012). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson.
Malhotra, N. K. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman Editora.
Martinez, M. (2003). High attrition rates in e-learning: challenges, predictors, and solutions. The Elearning Developers’ Journal, 14. Recuperado de: http://www.elearningguild.com/pdf/2/071403MGT-L.pdf
Moncada Mora, L. F. (2014). La integración académica de los estudiantes universitarios como factor determinante del abandono de corto plazo. Un análisis en el Sistema de Educación Superior a Distancia del Ecuador. RIED. Revista Iberoamericana de Educación a Distancia, 17(2), 173-196.
Moore, M., Kearsley, G. (2012). Educação a Distância: Uma visa integrada. São Paulo: Cengage Learning.
Palloff, R. M., Pratt, K. (2004). O aluno virtual. Porto Alegre: Artmed.
Pascarella, E. T. (1985). Students' affective development within the college environment. The Journal of Higher Education, 56(6), 640-663.
Ristoff, D. (1999). Universidade em foco: reflexões sobre a educação superior. Florianópolis: Insular.
Ristoff, D. (2012). A trajetória dos cursos de graduação a distância. Associação Brasileira de Educação a Distância – ABED. Recuperado de: http://www.abed.org.br/congresso2012/programa.asp.
Spady, W. G. (1971). Dropouts from higher education: Toward an empirical model. Interchange, 2(3), 38-62.
Tinto, V. (1997). Classrooms as communities: Exploring the educational character of student persistence. Journal of higher education, 68(6), 599-623.
Tinto, V. (2012). Completing College: rethinking institutional action. London: Chicago Press.
Tinto, V., Pusser, B. (2006). Moving from theory to action: Building a model of institutional action for student success. National Postsecondary Education Cooperative, 1-51. Recuperado de: http://web.ewu.edu/groups/academicaffairs/IR/NPEC_5_Tinto_Pusser_Report.pdf


DOI: http://dx.doi.org/10.5944/ried.20.1.16808

10 de março de 2017

As competências socioafetivas aceitação e honradez segundo a percepção de tutores a distância

As competências socioafetivas aceitação e honradez segundo a percepção de tutores a distância

Noélia Teixeira Mendes, Norma Alves de Sales Santos, Thaís Tenório, André Tenório

Resumen


O emprego das competências socioafetivas aceitação e honradez na prática pedagógica do tutor a distância foi investigado. A pesquisa analisou as percepções de tutores de cursos de graduação de uma instituição privada de ensino localizada no estado do Rio de Janeiro (Brasil). Todos os tutores reconheceram o significado das competências conforme os preceitos da educação a distância. Diversas situações onde empregar a aceitação e a honradez foram corretamente apontadas pela maioria. Para dois pesquisados, a aceitação seria a principal competência socioafetiva a se exigir de um tutor a distância. Na opinião unânime dos participantes, a diversidade cultural e intelectual de um grupo de estudantes favoreceria a aprendizagem coletiva e estimularia o desenvolvimento da capacidade de aceitação e o respeito mútuo de cursistas e tutor. Ainda assim, a falta de aceitação seria mais frequente na relação entre cursistas do que com o tutor. Por outro lado, situações problemáticas de agressividade ou presunção de cursistas ou como questionamentos à competência técnica do tutor, para a maioria dos pesquisados, poderiam ser evitadas, ou mesmo contornadas, com atitudes honradas do tutor. Para todos, seria dever do tutor, por meio das competências socioafetivas, construir a parceria e conquistar a confiança do aluno da educação a distância.

Palabras clave


Aceitação; competência socioafetiva; educação a distância; honradez.

Referencias


Andrade, J. B. F. (2007). Mediação na tutoria online: o entrelace que confere significado à aprendizagem. Dissertação de mestrado em tecnologia da comunicação e da informação. Ceará: Universidade Federal do Ceará.
Bernardino, H. S. (2011). A tutoria na EaD: os papéis, as competências e a relevância do tutor. Revista científica de educação a distância, 2(4). Recuperado de http:// revistapaideia.unimesvirtual.com.br/ index.php?journal=paideia&page=articl e&op=viewFile&path[]=166&path[]=171
Brasil. (2007). Referenciais de qualidade para educação superior a distância. Brasília: Ministério da Educação e Cultura.
Campos, F. C. A., Costa, R. M., e Santos, N. (2007). Fundamentos da educação a distância, mídias e ambientes virtuais. Juiz de Fora: Editar.
Castillo Arredondo, S. (1994). La acción tutorial en la enseñanza a distancia. Trabajo de conclusión de curso de postgrado en educación de personas adultas. Madrid: Instituto universitario de educación a distancia.
Correia, R. L., Santos, J. G. (2013). A importância da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) na Educação a Distância (EAD) do Ensino Superior (IES). Revista Aprendizagem em EAD, 2, 1-16.
Coutinho, C. P., Lisbôa, E. S., e Bottentuit Jr., J. B. (2009). Avaliação online através das ferramentas da web 2.0. Revista científica de educação a distância, 2(1). Recuperado de http://revistapaideia. unimesvirtual.com.br/index.php?journa l=paideia&page=article&op=view&path[ ]=79&path[]=45
Demo, P. (1996). Educar pela pesquisa. São Paulo: Autores associados. Farias, E. V. (2010). O tutor na educação a distância: a construção de conhecimentos pela interação nos ambientes midiáticos no contexto da educação libertadora. Revista Scientia FAER, 2(2), 28-37. Recuperado de http://www.faer.edu.br/ revistafaer/artigos/edicao2/elisio.pdf
Farias, S. C. (2013). Os benefícios das tecnologias da informação e comunicação (TIC) no processo de educação a distância (EAD). Revista digital de biblioteconomia e ciência da informação, 11(3), 15-29. Ferreira, A. L., e Acioly-Régnier, N. M. (2010). Contribuições de Henri Wallon à relação cognição e afetividade na educação. Curitiba: Editora UFPR.
Fiuza, P. J. (2002). Aspectos motivacionais na educação a distância análise estratégica e dimensionamento de ações. Dissertação de mestrado em engenharia de produção. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.
Freire, P. (1994). Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra. Freire, P. (1995). A Educação na cidade. 2. ed. São Paulo: Cortez.
Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido. 43. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
García Aretio, L. (1994). Educación a distancia hoy. Madrid: UNED.
García Aretio, L. (2002). La educación a distancia: de la teoría a la práctica. 2. ed. Barcelona: Ariel.
Giannella, T. R., Struchiner, M., Ricciardi, R. M. (2013). Lições aprendidas em experiências de tutoria a distância: fatores potencializadores e limitantes. Recuperado de http://www. educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/ educacao/0059.html
Laguardia, J., Machado, R., e Coutinho, E. (2010). Interação e comunicação em ambientes virtuais de aprendizado. Revista de ciência da informação, 11(4). Recuperado de http://www.dgz.org.br/ ago10/Art_03.htm
Masetto, M. T., e Behrens, M. A. (2000). Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus.
Moraes, E. E. M. (2011). Repensando o papel do professor e suas práticas pedagógicas em EaD. Trabalho de conclusão de curso de gestão de polos. Rio Grande do Sul: Universidade Federal de Pelotas. Recuperado de http://pt.scribd.com/ doc/57203785/REPENSANDO-OPAPEL-DO-PROFESSOR-TUTOR-ESUAS-PRATICAS-PEDAGOGICAS-EMEAD
Neder, M. L. C. (2000). A orientação acadêmica na educação a distância: a perspectiva de (re)significação do processo educacional. Em O. Preti (Org.), Educação a distância: construindo significados, (pp. 1-21). Brasília: Plano.
Nobre, C. V., e Melo, K. S. (2011). Convergência das competências essenciais do mediador pedagógico da EaD. VIII Congresso brasileiro de ensino superior a distância [Anais eletrônicos]. Recuperado de http://pt.scribd.com/doc/94697512/ Convergencias-Das-CompentenciasEssenciais-Do-Mediador-PedagogicoDa-EaD
Oliveira, C. L. A. P. (2009). Afetividade, aprendizagem e tutoria online. Revista Edapeci, 3(3). Recuperado de http:// www.seer.ufs.br/index.php/edapeci/ article/view/565/469
Oliveira, G. M. S. (2008). Concepções de orientadores acadêmicos e estudantes dos cursos de pedagogia a distância da Universidade Federal de Mato Grosso sobre ensino e aprendizagem. Tese de doutorado em Educação. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/ handle/123456789/91414/261994. pdf?sequence=1
Oliveira, S. C. (2006). Inteligência, Afetividade e Aprendizagem. I Encontro nacional de tutores de educação a distância [Anais eletrônicos], 51- 61. Recuperado de https://docs.google. com/viewer?a=v&pid=sites&srcid= ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxtYXJjZ W x v Y W x 2 Z X M x O T c w f G d 4 OjJiOGNjNDZkYjc3NGNhYWI
Perrenoud, P. (1999). Construir competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed.
Perrenoud, P. (2000). Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: Artmed.
Preti, O. (1996). Educação a distância: inícios e indícios de um percurso. Cuiabá: NEAD.
Rosa, S. S. (2013). A influência das TDIC na (re)configuração de Modelos de EaD tradicionais para Educação online. RENOTE. Revista de Novas Tecnologias na Educação, 11(3), 1-15. Santos, M. P. (2013). Tutoria em EaD: um elo de interação entre ensinantes e aprendentes virtuais. Revista Paidéi@, 4(7). Recuperado de http:// revistapaideia.unimesvirtual.com.br/ index.php?journal=paideia&page=a rticle&op=viewFile&path[]=259&pa th[]=269
Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Rio de Janeiro: Vozes. Venâncio, J. D., e Macedo, A. S. G. (2012). Aprendizagem significativa: pela tutoria humanizadora e humanizada. Recuperado de http://www.educasul. com.br/2012/Anais/Joana.pdf
Xavier, R. T. O., e Silva, J. A. S. (2009). Novos paradigmas nos saberes docentes na Educação a Distância. Revista novas tecnologias na educação, 7(1). Recuperado de http://seer.ufrgs.br/ renote/article/viewFile/13948/7849


DOI: http://dx.doi.org/10.5944/ried.18.1.13804

6 de março de 2017

A educação a distância como oportunidade de formação profissional e tecnológica


Cinara Ourique do Nascimento, Sheyla Costa Rodrigues



Resumen



A inquietação em torno da oferta da Educação Profissional e Tecnológica a distância moveu-nos a refletir sobre essa realidade de ensino técnico. Traçamos nossa investigação em torno dos polos de apoio presencial, solicitando às professoras coordenadoras que respondessem algumas questões sobre o programa Rede e-Tec Brasil e os cursos técnicos a distancia ofertados pelo IFSul/CaVG. Através da metodologia do Discurso do Sujeito Coletivo, foi possível conhecer o discurso dessa coletividade propiciando uma interlocução entre as vozes das coordenadoras e as dos teóricos que fundamentaram o estudo. O discurso coletivo destaca a importância da qualificação profissional para a melhoria de vida e para o desenvolvimento econômico e social dos municípios, bem como, a aceitação da educação a distancia como oportunidade de acesso àqueles que se encontram distanciados dos bancos escolares regulares.


Palabras clave

Educação a distância; educação profissional e tecnológica; política pública.


Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS (PORTUGAL))


Referencias

Almeida, M. E. B. Educação à distância no Brasil: diretrizes políticas, fundamentos e práticas. Belo Horizonte, MG [em línea] Disponível em http://www.ich. pucminas.br/pged/interact/viewfile. php/1/file/17/51/PDF.pdf (consulta 2013, 10 de março).

Antunes, J. L. (1996). CAVG – História de um patronato. Pelotas, RS: UFPEL.

Brasil. (2005). Presidência da Republica. Decreto 5.622. Brasília: Casa Civil [em línea] Disponível em: http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004- 2006/2005/decreto/D5622.htm (consulta 2013, 10 de março).

Brasil. (2007). Presidência da Republica. Decreto 6.301. Brasília: Casa Civil [em línea] Disponível em: http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007- 010/2007/Decreto/D6301impressao. htm (consulta 2013, 10 de março).

Brasil. (2009). Ministério da Educação. Centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. [em línea] Disponível em: http://portal. mec.gov.br/setec/arquivos/centenario/ historico_educacao_profissional.pdf (consulta 2013, 05 de abril).

Brasil. (2011). Presidência da Republica. Decreto 7.589. Brasília: Casa Civil. [em línea] Disponível em: http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011- 2014/2011/Decreto/D7589.htm (consulta 2013, 16 de abril).

Brasil. (2012). Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB n 11. [em línea] Disponível em: http://portal.mec. gov.br/index.php?option=com_ content&id=17576&Itemid=866 (consulta 2013, 16 de abril).

Belloni, M. L. (2008). Educação a Distância. Campinas, SP: Autores Associados.

Castells, M. (2002). Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra.

Capra, F. (1989). O ponto de Mutação. São Paulo: Pensamento-Cultrix.

Gil, A. C. (1996). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas. IFSUL. Regimento Interno Campus Pelotas Visconde da Graça. [em línea] Disponível em: http://www.ifsul.edu.br/index. php?option=com_docman&Itemid=38 (consulta 2013, 02 de maio).

Lakatos, E. M.; Marconi, M. A. (1991). Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas.

Lefevre, F.; Lefevre, A. M. (2012). Pesquisa de Representação Social – um enfoque qualitativo. Brasília, DF: Liber Livro Editora.

Lefevre, F.; Lefevre, A. M. (2005). O Discurso do Sujeito Coletivo – Um novo enfoque em pesquisa qualitativa (Desdobramentos). Caxias do Sul, RS: Educs.

Martins, G. A. (2002). Manual para elaboração de monografia e dissertações. São Paulo: Atlas.

Mattar, João. (2012). Tutoria e Interação em Educação a Distância. São Paulo: Cengage Learning.

Maturana, H. R. (1997). A Ontologia da Realidade. Belo Horizonte: UFMG.

Maturana, H. R. (1999). Transformación – En la convivência. Santiago: Dolmen.

Maturana, H. R.; Zoller, G. V. (2004). Amar e Brincar – Fundamentos esquecidos do Humano. São Paulo: Palas Athena.

Maturana, H. R. (2006). Cognição, Ciência e Vida Cotidiana. Belo Horizonte: UFMG.

Mizukami, M. G. N. (2004). Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. S. Shulman. Revista Educação, 2 (29), (33- 49). [em línea] Disponível em: HTTP:// www.ufsm.br/ce/revista (consulta 2013, 02 Junho).

Moore, M.; Kearsley, G. (2008). Educação a Distância – uma visão integrada. São Paulo: Cengage Learning.

Nascimento, C. O.; Moreira, I. G.; Cancela, M. P. N.; Sainz, R. L. (2011). O Desenho Organizacional da EaD: a experiência no âmbito do NETTAD. Anais. UFMG. Ouro Preto. VIII Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância.

Silva, C. J. R. (2009). Institutos Federais lei 11.892, de 29/11/2008: comentários e reflexões. Natal: IFRN. [em línea] Disponível em: http://portal.mec.gov. br/index.php?option=com_content& view=article&id=12503&Itemid=841 (consulta 2013, 14 de Maio).

Shulman, L. S. (1986). Those Who Understand: Knowledge Growth in Teaching. Educational Researcher, 2 (15), (4-14). [em línea] Disponível em: http://links.jstor.org/sici?sici=0013- 189X%28198602%2915%3A2%3C4%3A TWUKGI%3E2.0.CO%3B2-X (consulta 2013, 02 de Junho).

Pacheco, E. M.; Pereira, L. A. C.; Sobrinho, M. D. (2010). Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: Limites e Possibilidades. Linhas Críticas, 30 (16), (71-88). [em línea] Disponível em: http://seer.bce.unb.br/index.php/ linhascriticas/article/view/1429/1065 (consulta 2013, 10 de março).

Pacheco, E. M. (2010). Os Institutos Federais - Uma Revolução na Educação Profissional e Tecnológica. Brasília: MEC [em línea] Disponível em: http://portal. mec.gov.br/index.php?option=com_co ntent&view=article&id=12503&Item id=841 (consulta 2013, 05 de março).

Rodrigues, S. C.; Brod, F. A.; Nascimento, C. O. (2013). A Mediação Pedagógica na Educação Profissional a Distância, Ribeiro e Henning, Diálogos na Educação em Ciências. Rio Grande: Editora da FURG, (41-50).






DOI: http://dx.doi.org/10.5944/ried.17.2.12682