teste

Graduações
a Distância
Informática
na Educação
Cursos
a Distância
Capítulos e
livros publicados
Artigos
Publicados
Legislação
em EAD
Referenciais de
Qualidade em EAD
Currículo
Lattes

19 de junho de 2016

Uma ferramenta digital que faz games educativos: o contexto brasileiro de ensino e aprendizagem

Uma ferramenta digital que faz games educativos: o contexto brasileiro de ensino e aprendizagem

Patricia Margarida Farias Coelho, Marcos Rogério Martins Costa

Resumen


Neste estudo, investigaremos os games on-line como emergentes da cultura digital sob uma perspectiva analítica de seus resultados no processo de ensino e aprendizagem. Para isso, apresentamos e discutimos os dados empíricos coletadas por dois relatórios de avaliação (o Projeto Piloto e o Projeto/Pesquisa com os Educadores), fornecidos pelos desenvolvedores de uma ferramenta digital que cria jogos on-line. Esses relatórios são pertinentes como unidades de análise, porque eles avaliam uma ferramenta digital brasileira, FazGame (www.fazgame.com.br), que se utiliza do processo de criação de jogos on-line para inserir, difundir e transformar os objetos de ensino e aprendizagem. Ressaltamos que a FazGame é uma proposta inovadora no cenário educacional brasileiro, porque ela possibilita a criação de jogos aplicados no campo do ensino e aprendizagem.  Nossa metodologia consiste em discutir os conceitos teóricos de estudiosos diversos, que se atentaram a potencialidade dos games no ambiente educacional, e apresentar as evidências empíricas dos resultados quantitativos da FazGame apresentados nos dois supracitados relatórios. Os resultados tanto do Relatório de Avaliação do Projeto Piloto do FazGame como do Projeto/Pesquisa com os Educadores indicam que a ferramenta foi bastante apreciada pelos participantes (95% de aceitabilidade), sendo considerada de fácil manuseio, divertida e colaboradora no processo educacional. Por conseguinte, compreendemos, a partir dos dados, que é possível, no contexto brasileiro, aplicar a ferramenta em escolas brasileiras de maneira eficiente e adequada ao contexto institucional-pedagógico.

Palabras clave


Games educativo; Teoria; Aprendizagem; Plataforma digital

Referencias


Ausubel, D. P. (1998). Educational psychology: a cognitive view. New York: Rinehart and Wiston. Caillois, R. (2001). Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Trad. José Garcez Palha. Lisboa: Cotovia.
Castells, M. (2013). A sociedade em rede. Trad. Roneide Venâncio Majer. São Paulo: Paz e Terra.
Coelho, P. M. F. (2012). Os nativos digitais e novas competências tecnológicas. Texto livre: Linguagem e tecnologia, Belo Horizonte, vol. 5, n. 2, p. 88 -95.
Coelho, P. M. F.; Costa, M. R. M. (2013). Entre o Game Educativo e a Obra Literária: a educação inserida nas novas mídias. EducaOnline: Educomunicação, educação e novas tecnologias. Rio de Janeiro, vol. 7, n. 3, p. 91-111.
Eguia-gomez, J. L.; Contreras-Espinosa, R. S.; Solano-Albajes, L. (2012). Os games digitais como um recurso cognitivo na aprendizagem: um estudo de caso. Revista E-scrita. Belford Roxo, v. 3, n. 2, p. 120-133. Recuperado de: < http://www.uniabeu.edu.br/publica/index.php/RE/article/view/406 >. Acesso em: 01 jun. 2015.
Foucault, M. (1979). Microfísica do poder. Organização e tradução de Robert Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal.
Fazgame. (2013a.). Relatório de Avaliação do Projeto Piloto do FazGame (RAPPFazGame). Organizado por Carla Zeltzer e Antônio Flávio Oliveira Ramos. Rio de Janeiro: TECZELT.
_______. (2013b). Projeto/Pesquisa com os Educadores (PPE). Organizado por Carla Zeltzer e Antônio Flávio Oliveira Ramos. Rio de Janeiro: TECZELT.
GIL, A. C. (2013). Como elaborar projetos de pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas.
Hayes, E. (2007). Gendered identities at play: case studies of two women playing morrowind. Games and culture. Hayes, v.2, n.1, p. 23-48. Huizinga, J. (2013). Homo ludens: O jogo como elemento da cultura. Trad. João Paulo Monteiro. São Paulo: Perspectiva.
Kapp, K. (2012). The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. San Francisco: Pfeiffer.
Mattar, J. (2013). Games em educação: como os nativos digitais aprendem. 2 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.
Papert, S. (2008). A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Trad. Sandra Costa. Porto Alegre: Artmed.
Prensky, M. (2012). Aprendizagem baseada em jogos digitais. Trad. Eric Yamagute. São Paulo: Senac-SP.
______. (2006). Don’t bother me, Mom, I´m learning!: how computers and video games are preparing your kids for 21st century success and how you can help! St. Paul: Paragon House Publishers.
Ruiz, F. X. (2008). Juegos y videojuegos. Formas de vivencias narrativas. In: Universidad de Vic. L'Homo Videoludens: entre la narrativa y la ludología. Vic: Eumo Editorial, p. 17-51. Scheffler, I. (1973). Reason and Teaching. London: Routledge & Kegan Paul.
Shwartz, G. (2014). Brinco, logo aprendo. Educação, videogames e moralidades pós-modernas. São Paulo: Paulus.
Vygotsky, L. S. (1978). Pensamiento y Lenguaje. Madrid: Paidos.
_____. (1988). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Tradução de Maria da Penha Villabobos. 5. ed. São Paulo: Icone; Editora da Universidade de São Paulo.


DOI: http://dx.doi.org/10.5944/ried.19.2.14758